LEGENDA Bora Ver: Os Cavaleiros do Zodíaco - A Lenda do Santuário

Após 500 anos, a deusa da guerra e da paz Athena reencarna na pequena Saori Kido que deve retornar ao Santuário na Grécia, para assumir seu posto de protetora da Terra. Porém, para chegar até o salão do Mestre Ares, que tentou assassiná-la quando bebê, ela juntamente com os cinco cavaleiros de bronze, terão que passar pelas doze Casas do Zodíaco que são protegidas pelos poderosos cavaleiros de ouro. 
Vale a pena ou a galinha inteira?

A saga das 12 Casas do Zodíaco, sem dúvida foi a mais intensa de toda a série clássica dos Cavaleiros. Eram 12 horas para atravessar as 12 casas e salvar Saori que fora atingida por uma flecha do mal que a cada hora se aproximava mais do seu coração. Em uma época onde não havia internet, o grande destaque desta saga, era descobrir o visual da armadura do seu signo, a personalidade do seu cavaleiro, mesmo que embora um ou outro cavaleiro de ouro já tivesse aparecido antes da Saga do Santuário, a grande maioria ainda era uma incógnita. E a identidade do Mestre Ares? Todos queriam saber quem se escondia sob aquela máscara. A trama criada por Masami Kurumada em 1986 envolveu drama, ação e um enredo totalmente cativante e era uma das melhores apostas para o cinema, para comemorar os 40 anos de carreira de Massami Kurumada e coincidindo até mesmo com o aniversário de 20 anos da estréia do anime no Brasil. 

Bem... quem acompanhou a série clássica, esqueça tudo para este filme, pois quase nada é aproveitável (no bom sentido). O visual das armaduras, como já era visto pelos trailers sofreu modificações. Agora, todos os cavaleiros usam máscaras que são embutidas em seus capacetes e ficam parecendo ninjas na hora da batalha. Carregar armaduras nas costas? Nunca mais! Agora as armaduras são carregadas em um colar semelhantes aos de soldados de guerra. Depois de uma mega coreografia, eles jogam esses colares no chão e depois de surgir um baita de um círculo semelhante aos de Fullmetal Alchemist a armadura surge. Já as armaduras de ouro, agora são quadros (?). Para quem já assistiu ao mais recente anime dos cavaleiros, Saint Seiya Ômega, tá quase aquilo. Ahh, elas brilham também com luzes de neon. Mesmo com tudo isso, elas estão muito bonitas...essas realmente podem ser chamadas de armaduras, diferentes das do clássico onde o peitoral era apenas uma faixa, por exemplo.

Era lógico e sensato imaginar que em menos de duas horas, seria complicado transpor a saga das 12 Casas para as telas, que deveria haver um resumo para a trama. Resumo sim, bizarrices não.

Começando pela ida ao Santuário. Agora, os tais colares, são capazes de abrir um portal para o Santuário. Aliás, esqueça aquele Santuário grego. Aqui, o Santuário é suspenso no céu e é totalmente, eu disse, TOTALMENTE tecnologicamente evoluído (se procurar e bobiar, capaz de você enxergar uma nave de Star Wars por lá). Abra sua mente e deixe isso passar, o pior virá. Toda a história está alterada. As casas de Áries e Touro, relevantes...casa de Gêmeos? É citada antes de entrarem, mas depois nem se vê o cheiro dela. A bizarrice maior está na Casa de Câncer. Na sala do cinema, teve gente que se levantou para sair, quando chegou neste ponto. Tudo por que as cabeças dos mortos na casa são coloridas e junto com o Máscara da Morte, encenam um musical, característico de animações da Disney.

Não há a batalha na Casa de Virgem, Miro é uma mulher, a batalha de Camus com Hyoga se resume a duas palavras e um "Execução Aurora" apenas (como se o Hyoga já soubesse esse golpe toda sua vida). Um soco de um cavaleiro de ouro, faz com que o Seiya pule umas três casas (podia ter agradecido pelo atalho pelo menos) e o mestre Ares na batalha final tem um Megazord.

Se você levar em consideração, esse novo longa foi feito apresentar os cavaleiros a nova geração (você percebe pelas caras e bocas que os cavaleiros fazem). Mas haveria a necessidade de mexer com a nostalgia das pessoas que fizeram Cavaleiros do Zodíaco ser o que é hoje? (falo por mim). Podiam muito bem fazer uma saga nova, onde era até possível eles colocarem o musical e as piadas que eles quisessem, agora, estragar a saga mais clássica dos cavaleiros que é a do Santuário, é sem dúvidas, um desrespeito aos veteranos (falo por mim novamente).

Pontos positivos são para os termos técnicos. A dublagem está muito boa, assim como a sonorização. Os feitos do CG e das batalhas (mesmos que estas se resumem a um único golpe) estão fantásticos, pena não terem sido em 3D (o filme foi uma bosta, mas pelo menos, seria uma bosta em 3D né?). 

Os produtores disseram que dependendo da recepção do público, iriam produzir as sagas de Asgard e Poseidon também. Athena nos proteja e não permita isso. Mas pensando por um outro lado, o estrago maior já foi feito, uma vez que, estas duas outras sagas não são tão emocionantes quanto a do Santuário (falo por mim, over and over again). 
Sei que tem de haver evolução das coisas com o tempo, tanto que gostei bastante de Saint Seiya Ômega, justamente pelo fato do anime não mexer com o clássico. Porém, opinião é de cada um. Vejam o filme e deixem seus comentários, concordando ou não se o filme honra a memória dos eternos Cavaleiros do Zodíaco. Abraços e até o próximo post ^^

PS: A música de abertura em japonês ainda me arrepia!
PS2: A música de abertura no trailer, por que ela não toca no filme =/
PS3: não tenho dinheiro para comprar este!
PS4: Muito menos esse =(


* As imagens retiradas do filme:  Saint Seiya: Legend of Sanctuary, são puramente com o intuito de ilustração e divulgação. Todos os direitos das mesmas são de seus criadores ^^


Nenhum comentário:

Postar um comentário