LEGENDA Bora Ver: O Hobbit - A Batalha dos Cinco Exércitos

Enquanto Smaug ataca a cidade do lago após ser expulso de sua montanha. Bilbo e seu grupo nem faz ideia de que as consequências dessa batalha gerará uma guerra entre anões, humanos, elfos e orcs pela conquista da outrora casa do dragão e pela paz da Terra Média.
Vale a pena ou a galinha inteira? 

Primeiramente vou situar vocês na minha relação com Tolkien. Sou fã da então chamada Trilogia do Anel, bem como, da Terra-Média e todo esse universo criado pelo autor. Vejam bem, eu disse que sou fã e não que sou super fã, mega fã, hiper fã ou que Tolkien é o autor da minha vida, logo, não sei o nome das localidades, não guardo o nome daquele monte de anões e demais personagens (salvos os mais famosinhos) e muito menos sei falar a língua dos elfos (já tenho problemas demais em terminar meu inglês, arrumar meu francês e agora me virar com o latim). 



Ao mesmo passo que sou fã da saga do anel, não posso dizer o mesmo da história do Hobbit. Peguei certa implicância com a jornada de Bilbo Bolseiro quando li o livro, justamente por que o autor me enganou 3 vezes durante toda a leitura, claro que isso foi causado pela minha sede em ler a obra e pelos comentários de terceiros que eu ouvia.

Por esse mesmo motivo, enrolei ao máximo para ver a trilogia Hobbit que foi iniciada em 2012 nos cinemas e confesso que fui um daqueles que torceram o nariz quando souberam que o livro seria dividido em três partes.

O primeiro e o segundo filme vi em casa. Foram bons, gostei do fato de acrescentarem histórias, alguns personagens dos contos inacabados do Tolkien, outros criados apenas para o cinema (como o caso da Tauriel, vivido pela eterna "perdida" Evangeline Lilly). 
Mas falando de cinema, nada, isso mesmo, eu disse NADA se compara a ver a Terra Média no cinema, em HD e 3D. Ver toda a imensidão da Terra Média e sua profundidade oferecida pelo efeito 3D é simplesmente lindo, muito, muito lindo.


Quem ficou com receio de assistir um filme de quase três horas, com medo de que ficasse monótomo, se verá recompensado por que o filme é repleto de ação desde sua primeira cena. Nesse ponto, A Batalha dos Cinco Exércitos faz jus ao seu nome. 

É visível a enorme diferença entre a primeira trilogia baseada nas obras de Tolkien com essa segunda. Enquanto a primeira era mais adulta por assim dizer, essa segunda segue um lado mais infantil, seja pela interpretação do fantástico Martin Freeman que consegue fazer piadas sutis no papel de Bilbo (humor britânico minha gente, elegância tá na veia) ou pelo fato do livro O Hobbit ser um livro considerado infantil.

Entre as boas interpretações do longa, estão a de Richard Armitage como Thorin Escudo-de- Carvalho que nos passa muito bem a sensação da maldição do dragão, mas na minha opinião quem se destacou e muito foi o personagem Alfrid (Ryan Gage) pelo fato dele conseguir carregar o lado cômico de forma dosada (e nonsense) e principalmente por ser um personagem de terceiro escalão que conseguiu se destacar entre tantos outros nomes, fazendo parte inclusive de uma das cenas mais engraçadas do filme e que envolve Gandalf. 


A trilha sonora composta por Howard Shore está divina e se encaixando perfeitamente nas cenas, nesse ponto, destaque para a cena em que Thorin e os anões e Bard (Luke Evans) e os humanos se preparam para a guerra.

O filme tem uns erros, assim digamos... óbvios? Isso tem, como por exemplo, a arma que Azog usa para batalhar contra Thorin. O que é aquilo minha gente? O que aquele arpão (acho que é um arpão aquilo!!) está fazendo no lugar do braço dele que ele não usa? Mas enfim, ai você releva por que afinal, ele é um orc (eu acho) e orcs são burros (eu acho novamente).


Com batalhas do início ao fim, um visual incrível da Terra Média e que permite uma imersão completa do público, A Batalha dos Cinco Exércitos é o melhor filme da trilogia Hobbit por evitar o lado emocional e os diálogos e ir diretamente para as batalhas em si. O filme é o melhor filme que vi na vida? Digo que não. É o melhor filme que vi no ano? Receio em dizer também que não, porém, nada irá tirar da minha mente a visão da Terra Média daquela forma, aquela sensação e alguns podem até achar exagero ao lerem, mas concluo dizendo veementemente que tenho orgulho de tê-la visto dessa forma.


* As imagens retiradas do filme:  The Hobbit: The Battle of the Five Armies, são puramente com o intuito de ilustração e divulgação. Todos os direitos das mesmas são de seus criadores ^^


4 comentários:

  1. Olá,
    Ótima crítica sobre "A Batalha dos Cinco Exércitos", você se expressou bem suas expectativas e de como elas foram supridas (ou não). São muitas as diferenças entre o filme e o livro, mas que eu diria necessárias para o público de hoje em dia. Adicionou uma carga maior de ação, menor de músicas (infelizmente), uma pitada inventada de romance, conflitos familiares, traumas e pronto: temos uma Terra-Média hollywoodiana. Não é bem o que o Tolkien escreveu, mas tenho que admitir: me entreti muito mais com os filmes do que com o livro de "O Hobbit".

    Beijos,
    http://misssorrisos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Manu tudo blz?
      Tolkien por si só já dá detalhes (e minuciosos rsrs) para que o próprio leitor crie sua própria Terra Média na sua cabeça, mas quando você a vê em alta definição é de arrepiar. Quando o primeiro foi lançado não botei fé que essas histórias inseridas na história principal fosse vingar, mas o produto final eu gostei bastante ^^

      Abraços!!

      Excluir
  2. Eu gostei do filme, assim como você, achei o melhor da trilogia (e três filmes foram bem desnecessários). Apesar disso, o filme sofre em muitas partes e a maioria das sequências eu definiria como "ação sem emoção". Mas como um todo, vale a pena assistir, agora é esperar as versões estendidas e preparar a maratona com SdA. :)

    legadodaspalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hugo tudo bom?
      Acho que se eu não tivesse ficado tão encantando com a visão da Terra-Média nas telonas eu não teria ficado tão feliz pelo filme. Pra um filme para entretenimento, esse último filme cumpriu seu papel (isso sem considerar a "ação sem emoção" que você citou). Quem me dera conseguir fazer uma maratona, a última vez que tentei, cochilei legal nas Duas Torres hehehe
      Abração ^^

      Excluir