LEGENDA Bora Ver: Nocaute

Billy Hope é o melhor lutador de boxe de sua geração e trilha seu caminho rumo ao título de campeão mundial. Após uma tragédia em sua família, ele vê toda sua carreira e sua vida se desmoronar, então é forçado a lutar para conquistar o amor e o respeito de sua filha em uma busca por redenção.
Vale a pena ou a galinha inteira? 

O diretor Antonie Fuqua sabe exigir de seus protagonistas uma atuação que dê suporte para seus filmes. Foi assim com Denzel Washington em 2001 com Dia de Treinamento, filme aliás que lhe rendeu o Oscar de melhor ator, e foi com Jake Gyllenhaal em Nocaute


O filme é inovador para o gênero? Nem de longe. Temos a típica trajetória sucesso -queda - ascensão que geralmente permeia filmes com temáticas semelhantes e longas abordando o boxe estão ai para provar como por exemplo os excelentes, Rocky (1976) do diretor John G. Avildsen, Touro Indomável (1980) de Martin Scorsese e mais recentemente Menina de Ouro (2004) dirigido por Clint Eastwood.

Mas então, por que mesmo contendo tantos clichês do gênero, Nocaute consegue se sobressair como um dos melhores filmes de boxe dos últimos tempos? Bem, Fuqua obteve como produto final, um filme que envolve o telespectador em todas as cenas, desde o drama até as cenas de lutas. 


Nas primeiras cenas, a interação entre Billy Hope (Jake Gyllenhaal) e Maureen (Rachel McAdams) é incrível em todos os momentos. A família de Billy como um todo é bem estruturada. Esse fato cria uma atmosfera para o telespectador, muito reconfortante até ela começar a desmoronar, promovendo o sofrimento tanto para o personagem quanto para nós.

O diretor optou em utilizar planos de filmagens em que a câmera se aproximasse bem dos rostos dos personagens durante as lutas. Isso fornece uma perspectiva muito interessante, por que podemos acompanhar todos os machucados e graus de exaustão dos pugilistas (que eram os próprios atores, ou seja, sem dublês). O uso da câmera lenta também é utiliza de forma sábia e não a qualquer momento, evitando uma poluição visual desse recurso.



E o que dizer da atuação de Gyllenhaal? É praticamente chover no molhado. Jake que sofreu uma baita injustiça por não ter sido indicado ao Oscar de melhor ator, sai de O Abutre (2014) e chega a Nocaute mais monstruoso do que nunca. A transformação corporal que o ator dá ao personagem é impressionante. Jake é aquele tipo de ator que você realmente percebe mudanças de um filme para o outro e nesse ele pega um personagem cheio de complicações, defeitos, com uma carga dramática gigantesca e consegue moldá-lo ao longo da trama em proporções certas. Tenho fortes esperanças de que Billy Hope leve o ator à indicação ao Oscar de melhor ator em 2016. 


Com exceção de Billy Hope, os personagens coadjuvantes foram todos mal construídos. Não por culpa dos atores que também mandaram super bem, mas no que se refere ao roteiro. Sério que o rival de Billy que é americano, é um colombiano interpretado por Michel Gomez (The Strain 2014-atual) chamado Miguel Escobar? E o pobre do Forest Whitaker (O Último Rei da Escócia 2006) fez o possível para que seu personagem, o treinador Titus Wills fosse algo a mais do que apenas o treinador que faria o protagonista ascender novamente, mas o roteiro sacaneou com ele e as cenas de drama não convencem, sendo apenas uma cópia de outros treinadores de filmes do gênero.
Menção honrosa para a atuação de Oona Laurence, vivendo a filha de Billy. Achei que a menina iria decepcionar, mas queimei minha língua e a garota consegue manter o ritmo que suas cenas exigem.



Então temos uma direção muito boa, com um roteiro que deixa a desejar em certos requisitos, mas que é sustentado pela atuação do protagonista, mas o que vai ser o ingrediente final para esse filme ser bom é sua trilha sonora. As músicas se encaixam com perfeição em todas as cenas, promovendo uma homogeneidade para a história. Mas também, não era por menos. Ela foi o último trabalho de James Horner que compôs outras trilhas sonoras sensacionais: Titanic (1997) e Avatar (2009).

Com um final bem previsível, mas com uma boa direção, trilha sonora e Gyllenhaal sendo monstro na atuação, Nocaute é uma excelente indicação para quem quer assistir um drama que fala sobre superação e amor à família. Recomendadíssimo!!!




* As imagens retiradas do filme Southpaw são puramente com o intuito de ilustração e divulgação. Todos os direitos das mesmas são de seus criadores ^^

Nenhum comentário:

Postar um comentário